Novidades

Por que a cremação ainda é um tabu em muitas cidades do Brasil?

05 de outubro
Leia mais
Apesar de a cremação ser realizada desde o início da humanidade, até 1964 não era permitido que os católicos, maioria brasileira, fossem cremados.

Como funciona a cremação planejada?

28 de novembro
Leia mais
No Brasil, levou-se milênios para se tornar um processo legal e de total acordo para ser realizado a grande escala. Ainda na década de 70, foi quando surgiu o primeiro crematório do País, no Estado de São Paulo.

Conheça alguns motivos para optar pela cremação

17 de novembro
Leia mais
A cremação programada é uma escolha bastante benéfica para as pessoas no geral e natureza. Vale lembrar também, sobre a importância de deixar registrado a sua vontade de cremação em um cartório, bem como comunicar e conversar com a sua família.

Cremação: crenças e tradições

05 de novembro
Leia mais
No país, segundo dados do Sindicato dos Cemitérios e Crematórios Particulares do Brasil (Sincep) entre 7% e 8% dos mortos são cremados. Apesar do crescimento nos últimos anos, os números ainda são baixos se comparados com outros países, como China e Japão, por exemplo, que chegam a quase 100% dos corpos cremados, assim como a Colômbia que tem uma taxa de cremação de 75%.

Descubra algumas religiões que aceitam a cremação

01 de novembro
Leia mais
O Brasil é um país cercado de etnias, religiões e povos diferentes, cada grupo ou até mesmo pessoa em sua plenitude, traz consigo uma forma diferente de enxergar o mundo, de se apegar nas crenças, mas a questão é que todos temos alguma forma de religião.

Tudo o que você precisa saber sobre cremação

16 de outubro
Leia mais
Um método muito crescente na atualidade, já é uma tradição de quase 3 mil anos. A cremação, que por sua vez funciona de forma totalmente diferente do tradicional sepultamento. Isso porque, quando ocorre a cremação o corpo vira cinzas, podendo a partir deste momento estar mais perto dos familiares, como em um vaso ou dentro de pedras preciosas, bem como ser largada no mar.